Archive for the ‘Idéias’ Category

Passou da hora

18/06/2013    Postado em Idéias, Mensagens, Textos
 

Em 16 de maio de 2001, o Batalhão de Choque da PMBA, concretizando a profecia de Governador Mangabeira, invadiu o campus da Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia com ordens de reprimir protestos contra o então senador Antônio Carlos Magalhães, implicado até os cotovelos no escândalo do painel eletrônico do Senado. Na ocasião, Arx Tourinho, Subprocurador-geral da República, desceu ao viaduto do Canela e terminou agredido pelos policiais. A Choque sitiou um edifício federal a mando de um político. A segunda parte da equação é igualmente familiar e semelhante ao que o grande circuito de imprensa vem tentando esconder. Os manifestantes, dentre os quais a grossa maioria era de estudantes, resistiram, pelejaram, e não desistiram.

A profecia do antigo governador Octávio Mangabeira, nome de batismo da Fonte Nova original, agora substituída por uma que carrega o nome duma coisa aguada que alguém resolveu chamar de cerveja, dizia “pense num absurdo; na Bahia, há precedente.” E é bem isso. 14 de junho de 2013 tem precedente mesmo depois de 1988, é o 16 de maio de 2001. Numa manifestação de democracia, a PM achaca igualmente, sem discriminação social, política ou de ocupação profissional. Ataca estudantes, profissionais liberais e até jornalistas que foram registrar o ocorrido. De novo, a mando de políticos, por interesses que pervertem a sua própria finalidade enquanto instituição.

Polícia é, para a sociedade, como aquele cão vigia, alerta, leal aos seus, protetor, zeloso. Polícia tem de ter maturidade, discernimento, retidão. Policial que agride, mesmo se provocado, com força desproporcional, que ataca quem deveria defender, mesmo que seguindo ordens, que fere direitos que deveria garantir não é mais que um infeliz que desonra sua função, sua farda, seu propósito. Policial que protege interesse político à custa de achacar cidadãos covardemente é tão torpe quanto babá que bate em criança, médico que mata paciente, advogado que lesa cliente. É a corja de sua classe, a completa desonra daquilo que representa.

E, logo, como os urubus que planam nas correntes de ar quente para poupar esforço, os grandes conglomerados de imprensa começam a mudar o tom. Primeiro, isoladamente, por meio de seus “colunistas independentes”. Aos poucos, quando notarem que o barco daqueles que lhes alimentam ameaça adernar, não apenas abandonam seus benfeitores como alegam isenção e ajudam a naufragá-los de vez. Perniciosos, querem apenas sobreviver. Fizeram isso em 64, novamente em 88 e em cada evento de mudança política que ocorreu desde então. Por favor, duvide das minhas palavras. A dúvida é o que nos mantém alertas. Procure artigos das grandes semanárias datados de 1989 e, depois, de 1992. 2001 e 2008. Forme sua opinião, uma que não seja emprestada de uma facção política.

Alguém começou a propagar a ideia ridícula de que discutir política é como discutir futebol. Certamente com o mesmo intento do varejo financeiro ao criar o parcelamento sem juros, uma das formas mais engenhosamente Houdinianas de lesar o consumidor. Eu não saberia dizer o que há de apaixonante no futebol, mas sei que as pessoas falam dele por paixão. Política não tem nada de paixão. É razão, debate, ideias. Toda vez, e eu realmente fecho a porta às exceções, que alguém fala de política com paixão, um cheiro de peixe podre estupra-me as narinas. Existem aqueles que defendem ideais com fervor, como Ruy Barbosa. Quando alguém fala de política apaixonadamente, deixe-o falar por tempo o bastante e ele vai citar um nome. Seja de um partido, de um livro ou seu autor ou de um político, esse nome surgirá. E, com ele, a origem daquilo que o apaixonou na política. Provavelmente, algo fictício, criado com o único propósito de angariar simpatizantes.

Testemunhei isso muito detidamente nos meus anos de faculdade. Pessoas defendendo apaixonadamente o que lhes disseram ser uma ideologia. Mais adiante, as mesmas pessoas usando verba dos Centros Acadêmicos para fins alheios à atividade e aos interesses dos estudantes que os elegeram como representantes. Era notória a relação de vovó e netinho dessas pessoas com a Universidade, alguns chegando a ter sua bolsa de estudos mantida mesmo perdendo matérias por falta. Em campanha, uma das chapas apareceu com adesivos coloridos. Custavam uma fortuna em dinheiro de estudante. Deixando-os à vontade para falar, vem à tona o nome. Um partido, cujo nome omito para que, como os outros, apodreça e caia no ostracismo, mandou imprimir. Na sua gráfica própria, e sem cobrar nada por isso. A finalidade era clara, angariar novos membros para sua ala jovem. A tática dos espelhinhos e miçangas, eficaz desde 1500. Uma outra pessoa que conheço dessa época, que defendia fervorosa e incondicionalmente determinado partido, segredou-me anos mais tarde que foi trabalhar para o diretório estadual após receber sua inscrição na OAB e demitiu-se algum tempo depois. O motivo: eles provavelmente queriam o mesmo fervor altruista, já que lhe atrasaram um trimestre inteiro de salário. E não creio que por falta de verba.

Ser político, portanto, não tem nenhuma ligação com partidarismo. Ser político é reunir-se com outras pessoas que partilham dos mesmos objetivos e organizar-se para atingí-los. Não existe reunião verdadeira de ideias afins porque uma ideia dificilmente se replica com a mesma forma em duas cabeças. Digo isso como quem cria personagens e sabe que, se não descrever a cor do cabelo, dois leitores podem imaginá-lo de cores distintas. E isso é normal. O que não é normal é essa perversão chamada partidarismo, onde meia dúzia convence o resto do rebanho e não tarda a mostrar as unhas. Basta ler nas entrelinhas, procurar o que a imprensa omite. Nem o sindicalismo é legítimo. Viciados pelo pernicioso imposto sindical, usam discursos inflamados cheios de “luta” e “categoria” para contentar-se com migalhas. Não pode ser acidente. Uma pessoa que não trabalha não pode representar trabalhadores. Uma agremiação sustentada pelo Estado não vai morder a mão que o alimenta. E nada fala mais claramente contra o partidarismo que as alianças incestuosas entre políticos que estiveram a um passo de fazer bonecos de vodu uns dos outros há vinte anos, talvez menos, e aparecem sorridentes e aos abraços, insultando nossa inteligência. Os partidos de nosso país, se alguma vez tiveram legitimidade, não passam, hoje, de um teatro cínico de gente que se reveza nos papéis de mocinhos e bandidos para nos distrair enquanto levam nossas carteiras. E nem um movimento legítimo como o que se instalou pelo país afora escapa dos sanguessugas que buscam colocar sua marca de qualquer forma, persistentes como mosquitos. Mas esses, coitados. Massa de manobra. A solução para eles é colocar o flautista pra correr e esperar que se dissipem. Em 2001, ACM terminou renunciando ao mandato. O carlismo virou fumaça e se dissipou. Torço que 2013 faça o mesmo com o partidarismo. Passou da hora, e nós merecemos.

Sem Comentários

A terra do siri

02/08/2012    Postado em Crônicas, Idéias, Textos
 

Seguindo o exemplo de Portugal, Espanha e outros, o Brasil deveria adotar um animal-símbolo para o turismo. Sugiro o siri, para combinar com a forma como lidamos com nossos problemas. Nunca vamos adiante, nunca pegamos exemplos d’outrora. Andamos de lado. E, quando a coisa ameaça empenar, basta se enfiar num buraco e esperar que tudo se acalme.

Sou contra essa modinha estúpida de politicamente correto (até porque nada de correto há em nossa política), mas não me lembro de ter xingado aqui algum dia. É que eu não posso controlar quem vai ler e não quero dar mau exemplo pra crianças, mas tem horas que a gente precisa desopilar, então eu quero fazer uma proposta: vamos parar de agir como quem nasceu com o aparelho digestivo montado de ponta-cabeça. E não estou falando de novela, do cabelo do Neymar nem da gaiola das loucas do Bial (embora estes dois últimos talvez merecessem alguma regulação).

Estou falando é de meio semestre letivo na lata do lixo porque o governo não cumpre seu papel. De um julgamento histórico acontecendo enquanto a imprensa só mostra os culpados pelo nome, sem NENHUMA menção ao partido governista ou ao então presidente ou à atual. Em período de eleição, a cidade tá parecendo uma feira gigante, com cartazes saídos de algum concurso de feiúra espalhados por todo canto, em cavaletes. E o assunto se resume a Carminha, empreguetes e jogadores de futebol. Por que diabos ninguém, salvo uma dúzia de gatos pingados, esboça qualquer reação aos problemas verdadeiros? Talvez porque a Globo não mostrou nenhum deles.

Não estou criticando o gosto alheio. Tem coisa que gosto de ler e ver e sei que muita gente não gosta. Pagodão baixaria fere meus ouvidos. Vivemos em sociedade, não em simbiose. Cabelo moicano é um negócio hediondo pra mim, mas tem mãe que acha uma gracinha o filho imitar o ídolo. E tudo bem, porque as pessoas precisam de ídolos. Numa época em que os ídolos políticos estão todos mortos ou se corromperam e os famosos se vendem até para propaganda de aspirina, a criançada gostar de um cara que faz bem o que é pago para fazer é bom, sim.

O que me preocupa é ver que estamos tão entretidos com a vingança da cozinheira psicótica que estamos deixando passar algo – isso sim, verdadeiramente hediondo – como um sujeito que caiu de paraquedas na Corte Suprema do país participar do julgamento daqueles que um dia defendeu. E tudo isso enquanto a maior emissora do país nomina os réus pessoalmente e joga o resto debaixo do tapete. Um tapete que, pelo andar da carruagem, vai pedir um rolo compressor muito em breve.

Sem Comentários

Dois pra lá, dois pra cá

14/06/2012    Postado em Contos, Idéias
 

Ela estava sozinha. Nem todo mundo que vai ao cinema desacompanhado está solitário, mas ela parecia só. Comprou um copo de guaraná e um chocolate, nenhuma pipoca. A sessão tinha pouca gente, ela sentou no meio de uma fila e, três degraus acima e abaixo de sua poltrona, não havia ninguém.

Era um filme triste, um romance desses para ser visto com alguém que se possa abraçar com ternura, desses feitos para que se dê valor ao que se tem. Mas sua única companhia era o copo gelado. Tão logo as luzes se apagaram e o som das vinhetas invadiu a sala, destampou-o e derramou sobre o guaraná duas garrafinhas de uísque, daquelas de hotel. Lembrou da voz de Elis Regina, mexeu o copo con o canudo e deu um longo gole.

O interessante desses grandes cinemas é que, mesmo com poucas pessoas na sala, ninguém parece lhe notar. Ela estava, naquele momento, grata por isso, pois ninguém tentaria entender o que fazia uma mulher, tão bonita e bem arrumada, numa sala de cinema, no meio da tarde, completamente sozinha. E ela não teria de esconder de ninguém o vermelho em seus olhos, o nó na garganta, o sulco profundo no dedo anular da mão esquerda, denunciando que ela não deveria estar só, que ela já teve um motivo para estar ali.

Sem Comentários