Archive for the ‘Crônicas’ Category

Feito à mão

06/09/2012    Postado em Crônicas, Textos
 

Bom dia, caro(a) leitor(a). Depois de ler sobre uma iniciativa de um fabricante de canetas que meu amigo Edi Venturin mostrou, resolvi entrar na dança. Clique na imagem abaixo para ler o texto todo. Espero que goste.

-Fernando

Sem Comentários

O velho Bilac

09/08/2012    Postado em Crônicas, Textos
 

Domingo é dia dos pais. Toda vez que lembro dessa data, duas memórias me vêm à mente. A primeira é o rosto do meu pai. A segunda, uma história que li há muitos anos, sobre o pai de Olavo Bilac. O velho Bilac sempre manifestou oposição direta àquilo que o filho fez na vida. Queria vê-lo médico, não conseguiu. Depois, Bilac tentou cursar Direito, mas também não levou adiante. Era poeta. Quando seu pai finalmente deixou este mundo, encontraram um volume do livro do filho, Poesias, lido e glosado. Não era apenas um volume guardado para memórias, o velho realmente conhecia o trabalho do filho. E admirava.

É importante conhecermos quem nos quer bem para sabermos de que maneira esse afeto se manifesta. Algumas pessoas têm a facilidade de conviver com gente que se expressa facilmente, mas isso me parece estar longe de ser a regra e, algumas vezes, o afeto se materializa de maneiras pouco convencionais – ou convencionais demais para notar-se facilmente. O velho Bilac tinha uma preocupação latente com o futuro do filho. Na cabeça dele, certamente, a carreira que Olavo seguiu não era boa o bastante para acalmar os temores de uma vida difícil. Ninguém parece ter visto isso, ou assim relatam os documentos que falam sobre o tema. No fim das contas, importa muito pouco a forma como esse afeto chega. O que realmente mostra sua força é a veemência, a presença, o silêncio confortante em um abraço firme e forte. E sabermos reconhecer que eles estão ali.

Sem Comentários

A terra do siri

02/08/2012    Postado em Crônicas, Idéias, Textos
 

Seguindo o exemplo de Portugal, Espanha e outros, o Brasil deveria adotar um animal-símbolo para o turismo. Sugiro o siri, para combinar com a forma como lidamos com nossos problemas. Nunca vamos adiante, nunca pegamos exemplos d’outrora. Andamos de lado. E, quando a coisa ameaça empenar, basta se enfiar num buraco e esperar que tudo se acalme.

Sou contra essa modinha estúpida de politicamente correto (até porque nada de correto há em nossa política), mas não me lembro de ter xingado aqui algum dia. É que eu não posso controlar quem vai ler e não quero dar mau exemplo pra crianças, mas tem horas que a gente precisa desopilar, então eu quero fazer uma proposta: vamos parar de agir como quem nasceu com o aparelho digestivo montado de ponta-cabeça. E não estou falando de novela, do cabelo do Neymar nem da gaiola das loucas do Bial (embora estes dois últimos talvez merecessem alguma regulação).

Estou falando é de meio semestre letivo na lata do lixo porque o governo não cumpre seu papel. De um julgamento histórico acontecendo enquanto a imprensa só mostra os culpados pelo nome, sem NENHUMA menção ao partido governista ou ao então presidente ou à atual. Em período de eleição, a cidade tá parecendo uma feira gigante, com cartazes saídos de algum concurso de feiúra espalhados por todo canto, em cavaletes. E o assunto se resume a Carminha, empreguetes e jogadores de futebol. Por que diabos ninguém, salvo uma dúzia de gatos pingados, esboça qualquer reação aos problemas verdadeiros? Talvez porque a Globo não mostrou nenhum deles.

Não estou criticando o gosto alheio. Tem coisa que gosto de ler e ver e sei que muita gente não gosta. Pagodão baixaria fere meus ouvidos. Vivemos em sociedade, não em simbiose. Cabelo moicano é um negócio hediondo pra mim, mas tem mãe que acha uma gracinha o filho imitar o ídolo. E tudo bem, porque as pessoas precisam de ídolos. Numa época em que os ídolos políticos estão todos mortos ou se corromperam e os famosos se vendem até para propaganda de aspirina, a criançada gostar de um cara que faz bem o que é pago para fazer é bom, sim.

O que me preocupa é ver que estamos tão entretidos com a vingança da cozinheira psicótica que estamos deixando passar algo – isso sim, verdadeiramente hediondo – como um sujeito que caiu de paraquedas na Corte Suprema do país participar do julgamento daqueles que um dia defendeu. E tudo isso enquanto a maior emissora do país nomina os réus pessoalmente e joga o resto debaixo do tapete. Um tapete que, pelo andar da carruagem, vai pedir um rolo compressor muito em breve.

Sem Comentários