Archive for the ‘Crônicas’ Category

Cheiro de tinta

28/07/2011    Postado em Crônicas, Textos
 

Do tempo da pré-escola, eu lembro claramente de duas coisas. Uma era o painel de madeira com letras de espuma que eu adorava usar e a professora ficava louca da vida porque eu tinha de participar das atividades de bê-á-bá com os colegas da turma, mas não queria de jeito maneira. Eu queria era formar as palavras que já tinha aprendido com as letras. A outra era o cheiro forte e característico do mimeógrafo que a escola usava pra imprimir nossas tarefas, uma mistura doce de álcool de cana com tinta que empesteava o ambiente sempre que a máquina era usada, incomodava um bocado de gente, mas que eu adorava.

Leia Mais

Sem Comentários

Ganhando o mundo

25/07/2011    Postado em Crônicas, Textos
 
Hoje é dia de publicação extraordinária. Este texto é datado de maio de 2006 e já esteve no ar em outro momento, motivo pelo qual não faço nenhuma recontextualização. Espero que gostem. :-)

Cavalheiros, fomos declarados ‘em risco de extinção’ e postos ao lado de mico-leão dourado e ararinha azul. E, por incrível que pareça, isso é bom. Em meio a uma população de menos-conversa-e-mais-ação, somos poucos e isso inspira cuidados. Até agora, nenhuma enfermeira peituda veio me oferecer colinho, mas numa terra onde corno é o penúltimo a saber (o último é o presidente), eu não me atreveria a perder a esperança. O perigo é terminarmos em cativeiro ou em uma exposição de taxidermia.

Leia Mais

1 Comentário

Chovendo no molhado

21/07/2011    Postado em Crônicas, Textos
 

É esquisita a mania crescente de se criar datas comemorativas. Dia das mães e dia dos pais a gente entende. Um segundo aniversário por ano é apenas justo por termos sido postos no mundo. Dia das crianças eu não gosto desde que deixei de ser criança e parei de ganhar presente na data, mas vá, é compreensível. Dia dos namorados… claro. Mas aí o povo fica animadinho e lá vem dia da sogra, dia do avô, da avó, até que um dia teremos o dia da Ararinha Azul, a ser comemorado no mesmo dia do político honesto, porque ambos encontram-se sob grande perigo de extinção.

Leia Mais

Sem Comentários