Estampa inglesa

04/08/2011 Postado em Crônicas, Textos

Está instituído hoje o Dia do Orgulho dos Donos de Canecas com Estampa Inglesa. Porque eu tenho uma caneca dessas e tenho orgulho dela e resolvi dizer isso pra todo mundo, mesmo que a relevância seja nula. Que se dane a relevância. Aliás, eu quero esclarecer a diferença entre ridículo e engraçado. Engraçado é um anúncio de TV bem-humorado, que lhe faz rir até doer a barriga. Sim, aquele da semana passada é um bom exemplo. Ridículo é quando um grupo político consegue passar uma lei que não tem lé com cré. A que foi aprovada terça em São Paulo é um bom exemplo. Dia do Orgulho Hétero… pulando as discussões sobre homofobia, porque eu não sou maluco de cutucar esse vespeiro, isso é simplesmente ridículo. Do tipo que nem precisa explicar. É instintivamente visto desta forma por qualquer um com a cabeça presa no lugar certo.

É claro que tem aqueles que nasceram com o trato digestivo montado de ponta-cabeça e, desses, só me ocupo com a asquerosa dúvida a respeito de, considerando que o resultado da digestão saia por cima, por onde entraria a comida. Não leia isto se você ainda estiver comendo. Ah, agora já era, eu acho. Enfim, contra o engraçado o CONAR já deu uma de chato da vez e abriu processo, mas contra o ridículo ninguém fez nada nas últimas quarenta e oito horas e periga não fazer.

Elaborando um pouco: a data instituída não é ridícula por ser do “orgulho hétero”, mas por ser “do orgulho”. Se você precisa dizer num megafone que suas roupas de baixo são estampadas com a foto do Chico Anysio, você tem dois problemas. Um deles, e o mais sério, é um recalque pesado, possivelmente fruto de baixa autoestima. O outro é um péssimo gosto para estampas. Sério, o Chico? Em suma, nessa expressão, “dia do orgulho”, qualquer palavra depois pode ser a sintetização de um recalque e a expressão será verdadeira. E, francamente, se ninguém quis saber da minha caneca com estampa inglesa, o que lhe faz pensar que alguém terá interesse em você ser gay, hétero, negro, branco, azul, cor-de-rosa com bolinhas brancas ou dono de cuecas ridículas? Pelo que me despeço nesta curta crônica cantando: recalque maldito, recalque maldito, lalalalalalá….



Deixe seu Comentário